Enviar Mensagem




UsuárioDiscussão
Silas Bueno Fernandes
Postado em quarta-feira, 25 de julho, 2007
ola bom dia

minha patroa me pediu para fazer uma pesquisa na internet sobre um assunto o qual não obtive um resultado satisfatório:

temos dois funcionários casados

e ocorreu que a irmã da esposa faleceu, sabemos que por lei, a esposa terá 2 dias consecultivos para repouso,
a dúvida é

o marido tambem terá direito a ficar em casa esses 2 dias?

fico no aguardo de uma resposta

ÚsuarioResposta
Neide
postado em quarta-feira, 15 de setembro, 2010
Olá, também estou precisando desta resposta, podes me passar?
Muito obrigada!
Rosana
postado em segunda-feira, 10 de janeiro, 2011
Tenho 38 anos sou casada há 19 anos ,tenho um filho de 18 anos e outro de 13 anos .sonho com a minha casa propia .gostaria de saber meu direitos .descobri que meu marido tem uma filha com outra mulher de 3 anos e ele contruiu uma casa pra ela e a filha e outra pra mae dela no mesmo quintal .descobri que este imovel esta no nome dele e no meu nome . ele mora comigo .descobri que enquanto ele estava construido a casa pra ela eu passei dificudades em casa por conta disso.tem como eu tirar esta mulher de la ja que sou dona tambem .ela mora numa casa de 2 andares .nao tem comparaçao a casa dela com a minha.a minha casa e lixo perto da dela.
UBIRAJARA MEIRELES AREIAS
postado em quinta-feira, 20 de janeiro, 2011
BOA NOITE . MEU IRMAO TINHA DADO ENTRADA NO PROCESSO DE APONSENTADORIA MAIS VEIO A FALECER ANTES DO PROCESSO . MAIS ELE ERA AUTONIMO E DEPENTIA DE MIM PRA GUAZE TUDO , [ ELE ERA ALCOLATRA E MOREU DE ENSUFICIENCIA RESPIRATORIA ] MAIS O ULTIMO ALUQUEL QUE ELE MOUROU O RECIBO VENHO NO NOME DA MINHA IRMA . COMO EU POSSO FAZER PARA CONTINUAR O PROCESSO DA PENSAO ? ALQUEM PODE ME ORIENTAR POR FAVOR . ELE NAO TINHA FILHOS NEM TRABALHO REGISTRADO ..... DESDE JÁ OBRIGADO
UBIRAJARA MEIRELES AREIAS
postado em quinta-feira, 20 de janeiro, 2011
BOA NOITE . MEU IRMAO TINHA DADO ENTRADA NO PROCESSO DE APONSENTADORIA MAIS VEIO A FALECER ANTES DO PROCESSO . MAIS ELE ERA AUTONIMO E DEPENTIA DE MIM PRA GUAZE TUDO , [ ELE ERA ALCOLATRA E MOREU DE ENSUFICIENCIA RESPIRATORIA ] MAIS O ULTIMO ALUQUEL QUE ELE MOUROU O RECIBO VENHO NO NOME DA MINHA IRMA . COMO EU POSSO FAZER PARA CONTINUAR O PROCESSO DA PENSAO ? ALQUEM PODE ME ORIENTAR POR FAVOR . ELE NAO TINHA FILHOS NEM TRABALHO REGISTRADO ..... DESDE JÁ OBRIGADO
Patrícia
postado em quarta-feira, 04 de maio, 2011
Caros Senhores:


Gostaria de saber como proceder no seguinte caso: sou servidora municipal, concursada, regida pela CLT. Trabalho em uma das secretarias da cidade, mas, recentemente, a Procuradoria, que tem convênio com a prefeitura, solicitou-me para ficar cedida a esse órgão. Tenho muito interesse em trabalhar na Procuradoria, pois venho sofrendo assédio moral no lugar em que trabalho, e o Prefeito já encaminhou o pedido de minha cessão, através de ofício, para o Secretário, meu chefe. A dúvida é a seguinte: quanto tempo devo esperar para me apresentar na Procuradoria? Me disseram que eu deveria aguardar a "liberação" da secretaria, mas temo que o Secretário fique postergando minha saída, ou mesmo a recuse. Há algum prazo legal para que a secretaria responda ao ofício do prefeito? Quando indaguei sobre esse isso, disseram que o Secretário poderia "enrolar"... O que fazer nesse caso?

Desde já muitíssimo grata,

Patrícia
Luís Gustavo
postado em quinta-feira, 03 de novembro, 2011
Bom dia! Me divorciei no início do ano e tenho uma filha de 5 anos, optamos pela guarda compartilhada, porém estou enfrentando alguns problemas. Tenho direito de ficar com a criança a cada 15 dias e pega-lá 2 veze durante a semana sem tempo estipulado. O problema tem sido nos feriados, desde então não fico com minha filha nos feriados pois minha ex-mulher sempre da desculpa de algum compromisso, mesmo avisando antes.No próximo feriado, também será meu final de semana com a criança, quero leva-lá para a praia porém minha ex falou que vai para uma outra praia e quer deixar a criança comigo apenas no final de semana. O que devo fazer?
Leonardo
postado em quarta-feira, 09 de novembro, 2011
Prezados,


Conforme em seu site, estou enviando uma pergunta a respeito de um julgamento fiscal da Receita Federal. Em junho de 2008 abri um processo de impugnação na Receita Federal por não concordar com a decisão da mesma em me cobrar o pagamento de uma declaração feita em 2006, uma vez em que cai na malha fina. Só agora recebi a sentença final, onde me enviaram um despacho decisório, informando a em manter a exigência total. No site da receita, consta:




Exigibilidade Suspensa
Processo: 10730.005.886/2008-52
Situação: SUSPENSO-JULGAMENTO DA IMPUGNACAO
Localização: SERV CONTROLE ACOMP TRIBUTARIO-DRFNIT-RJ

Receita PA/Ex. Dt.Vcto Principal
0211 12/2005 28/04/2006 4.482,40


Neste despacho consta também a opção de desistência total da impugnação, informando se eu concordar totalmente com esta decisão, que consta no despacho decisório, deverei providenciar seu pagamento, compensação ou parcelamento no prazo de 30 dias. Também informam se eu optar pela desistência parcial deverei apresentar a quitação da parte não contestada antes do seguimento para a DRJ.

A pergunta é:
1- Se eu resolver pagar (parcelado), o valor do processo (4.482,40) que diz exigibilidade Suspensa, será acrescido de juros? Se positivo, quanto deve ser?
2-Quando temos um processo na justiça, em valor em questão fica congelado, não correndo juros e mora?
3- Qualquer que seja a decisão tomada por mim, desistência total ou parcial, o processo ainda segue para o DRJ?


Att. Leonardo Alvim
jaqueline
postado em terça-feira, 06 de dezembro, 2011
peri minha mae gostaria de saber quantos dias tenho direito a ficar em casa
12