Enviar Mensagem




Forum > Direito de Família > GUARDA DEFINITIVA
UsuárioDiscussão
K.C.L
Postado em segunda-feira, 16 de julho, 2007
Tive um relacionamento de aproximadamente de três anos, durante e depois da gravidez o pai do meu filho não demonstrou interesse algum em ajudar nem psicologicamente, emocionalmente e muito menos financeiramente, passei sozinha. Meu filho nascer em fev/2005 e até hoje o pai não contribui com nada, registrou criança. Hoje meu filho tem 2ª5m, gostaria de saber como entrar na justiça para requerer a guarda definitiva do meu filho e se poderia requerer pensão alimenticia retroativa do nascimento ate agora. OBRIGADA.

ÚsuarioResposta
juliano
postado em quinta-feira, 19 de julho, 2007
Olá !!!!
Tem como requerer a guarda definitiva sim, apesar que entendo não ser necessário, pois você já vai entrar com ação de alimentos e lá você vai alegar tudo que disse sobre ele não auxiliar em nada.
Quanto a pensão alimenticia retroativa isso não é possível.
A pensão alimentícia começa a ser contada a partir da citação do réu (pai de seu filho), ou seja, entre com ação de alimentos o quanto antes, pois esses 2 anos e 5 meses você não pode mais cobrar.
A ação deverá ser proposta em nome de seu filho representado por você.
Espero ter ajudado.
MRF
postado em segunda-feira, 15 de outubro, 2007
Olá.
Imaginei que já havia precedentes validando a pensão retroativa à data da concepção... Não é o caso???
Gostaria muito de saber, pois tenho um filho planejado com alguém que combinou morar comigo mas quando eu engravidei mudou os planos, propondo morar na casa da mãe dele, o que não aceitei. Arquei com todas as despesas (e todos os encargos psicológicos e físicos) de uma gravidez e organização da chegada de um amado bebê sozinha e somente quando a criança nasceui começou a contribuir com algum dinheiro (às vezes muito, às vezes pouco, às vezes nada, quando ele quer), sempre me expondo a constrangimento e humilhação. Gostaria de regularizar a situação, pois entendo que meu filho tem esse direito (pelo menos esse garantido por lei).
O pai é autônomo, mora num condomínio fechado, 3 carros na garagem, sem gastos domiciliares/alimentares, etc e tal.
Eu sou bolsista, sustento o meu pai (desempregado há anos e situação conhecida pelo pai do meu filho, na ocasião em que combinamos a gravidez), eu e meu filho, e estou pagando muitas dívidas que angariei no período em que não tinha renda além da pseudo-pensão do bebê (ocasião na qual passei fome, inclusive, para que nada faltasse à criança).
Alguma orientação? Gostaria de fazer tudo da forma mais amistosa possível, porém de maneira e deixar registrado e oficializado a obrigatoriedade e a regularidade dos depósitos, para que eu possa melhorar a qualidade de vida de minha criança, sem ter que me submeter a situações absurdas novamente (o que eu faria em nome da felicidade e do conforto do meu filho, mas não acho justo, já que ele tem pai)...
Lamento pelo desabafo embutido.
Agradeço a ajuda.
Alexandra Nascimento Pedro
postado em terça-feira, 30 de setembro, 2008
QUEM TEM A GUARDA DA CRIANÃ E SE ELA NÃO QUISSER MAIS O QUE PODE SER FEITO? E A CRIANÇA TEM DIREITOS SOBRE O BENSCOMO SE FOSSE FILHO?
edvaldo silva de calais
postado em quarta-feira, 27 de maio, 2009
estou separado desde outubro do ano passado e no dia 21 de abril tive uma discussão com minha ex e ha agredi desde então ela sumiu com meu filho e só tenho contato com ele por telefone ela não quer deixar eu velo o que fasso