Enviar Mensagem




ISSN 2177-028X
A
A
A

Alíquotas do Seguro de Acidentes do Trabalho

Dispõe a Constituição Federal em seu art. 7º, inciso XXVIII que são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais o seguro contra acidentes do trabalho, a cargo de empregador sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo culpa. E o art. 201, § 10 estatuiu que a lei disciplinará a cobertura do risco de acidente do trabalho, a ser atendida concorrentemente pelo regime geral de previdência social e setor privado. Com fundamento nos dispositivos constitucionais supra referidos a Lei nº 8212, de 24-07-91, instituiu a contribuição para o seguro de acidentes de trabalho, pelo seu art. 22, II, prescrevendo a alíquota de: a) 1% para as empresas em cuja atividade preponderante o risco de acidente de trabalho seja considerado leve, b) 2% para as empresas em cuja atividade preponderante esse risco seja considerado médio; c) 3% para as empresas em cuja atividade preponderante esse risco seja considerado grave. Dispôs o § 3º do citado artigo que o Ministério do Trabalho e da Previdência Social poderá alterar, com base nas estatísticas de acidentes do trabalho, apuradas em inspeção, o enquadramento de empresas para efeito da contribuição a que se refere o inciso II deste artigo, a fim de estimular investimentos em prevenção de acidentes. Como se vê, é o próprio texto legal, instituidor da contribuição, que não dá condições para sua plena aplicação, por total ausência de definição do que sejam riscos leve, médio e grave para efeito de incidência das alíquotas de 1%, 2% e 3%, respectivamente. A delegação contida no § 3º, além de inconstitucional, diz respeito à faculdade de alterar o enquadramento das empresas, com base em estatísticas de acidentes do trabalho. Ora, alterar o enquadramento pressupõe a preexistência desse enquadramento. De nenhuma forma, o referido § 3º delega ao órgão do Executivo a incumbência de definir, originariamente, as empresas que apresentem em sua atividade preponderante riscos leve, médio ou grave.

Como a aplicação dessas alíquotas variáveis depende da definição dos diferentes graus de riscos, segue-se que essa definição integra o aspecto quantitativo do fato gerador da obrigação tributária, o que se constitui em matéria de reserva legal, conforme estatuído no art. 97, III e IV do CTN. A fixação do aspecto quantitativo desta contribuição não pode ficar à discrição do Executivo, porque não ressalvado no texto constitucional, como ocorre em relação ao IOF, ao IPI etc.

Logo, só se pode considerar regularmente instituída a contribuição para o SAT no que concerne ao grau mínimo de risco. A aplicação das alíquotas de 2% e 3% depende de definição legal do que sejam riscos médios e graves, respectivamente. Alguns julgados de primeira instância chegam a invalidar essa contribuição por inteiro, porém, entendemos aplicável a alíquota mínima de 1% à generalidades das empresas, pois qualquer que venha ser a definição da grau mínio de risco a alíquota não poderia ser inferior àquele percentual.

Texto confeccionado por
(1)Kiyoshi Harada

Atuações e qualificações
(1)Especialista em Direito Tributário e em Direito Financeiro pela FADUSP. Professor de Direito Tributário, Administrativo e Financeiro. Conselheiro do Instituto dos Advogados de São Paulo. Presidente do Centro de Pesquisas e Estudos Jurídicos. Membro do Conselho Superior de Estudos Jurídicos da Fiesp. Ex Procurador-Chefe da Consultoria Jurídica do Município de São Paulo.

Bibliografia:

HARADA, Kiyoshi. Alíquotas do Seguro de Acidentes do Trabalho. Universo Jurídico, Juiz de Fora, ano XI, 31 de jul. de 2001.
Disponivel em: < http://uj.novaprolink.com.br/doutrina/940/ALIQUOTAS_DO_SEGURO_DE_ACIDENTES_DO_TRABALHO >. Acesso em: 16 de abr. de 2014.

A
A
A
Novo Comentário


~/Images/Promo/Banner_Site-RT.jpg
/Conteudo/Doutrina/DEFAULT_BANNER.JPG
/Conteudo/Doutrina/DEFAULT_BANNER.JPG